INDEF. DENUNCIAÇÃO LIDE

EXMO. SR. DR. DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ESPÓLIO , representado por A, já qualificado nos autos de nº 2002.001.032474-7, da Ação de Rescisão Contratual em que figura como réu, tendo no pólo ativo CIA. ITAULEASING DE ARRENDAMENTO MERCANTIL – GRUPO ITAÚ, perante o juízo da 32ª Vara Cível da Comarca da Capital, através da Defensora Pública infra-assinada, com endereço para intimações em seu gabinete, na avenida Erasmo Braga, nº 115, sala 229-D, Palácio da Justiça, não se conformando com a decisão interlocutória proferida em primeiro grau jurisdicional, às fls. 79 e vº, dos autos mencionados, vem oferecer

AGRAVO DE INSTRUMENTO
COM PEDIDO DE LIMINAR

conforme razões adiante expostas.

Inicialmente, afirma sob as penas da lei 1060/50, que não tem condições de arcar com as custas processuais e honorários advocatícios sem prejuízo do próprio sustento e de sua família, pelo que requer a gratuidade de justiça, devendo ser aplicado o disposto no art. 9º da Lei 1060/50.

Requer-se, assim, a reforma da decisão ora impugnada, conforme as razões expostas em anexo.

Pede deferimento.

Rio de Janeiro, 16 de dezembro de 2003.

Agravante: ESPÓLIO, representado por
Advogada:

Agravado: CIA. ITAULEASING DE ARRENDAMENTO MERCANTIL – GRUPO ITAÚ
Advogado: Margareth Monteiro da Costa
Av. Rio Branco, nº 147/10º andar, Centro – Rio de Janeiro

RAZÕES DE AGRAVANTE

Egrégio Tribunal de Justiça,

Colenda Câmara Cível.

DOS FATOS

Ingressou a agravada com demanda objetivando rescindir contrato de arrendamento mercantil realizado entre as partes litigantes em razão do atraso no pagamento das parcelas por parte da agravante.

Apresentou a ora agravante contestação reconhecendo a existência do débito e sua impossibilidade de arcar com o montante cobrado, informando a existência de ação de revisão contratual, em curso na 26ª Vara Cível da Capital, estando a peticionária no pólo ativo e a agravada no pólo passivo, onde se discute a legalidade das cláusulas presentes no contrato de arrendamento mercantil firmado entre as partes, objetivando ver declarada a abusividade das mesmas, desobrigando a agravante do pagamento dos valores que sustenta indevidos.

Outrossim, com fulcro no artigo 70, III, do C.P.C., denunciou à lide a Sra., responsável pelo acidente que culminou com a perda total do veículo objeto do contrato suso mencionado, causando também lesões corporais no condutor do veículo e a morte do passageiro Victorino, conforme doc. que segue em anexo.

DA DECISÃO AGRAVADA

Entendeu por bem a n. magistrada indeferir a denunciação da lide, alegando que o C.D.C. em seu artigo 88, in fine, não admite a intervenção pleiteada, convolando o feito em ação de depósito fundamentando que a alegação da ré não tem o condão de elidir a pretensão autoral, conforme se verifica na cópia da r. decisão em anexo.

DA TEMPESTIVIDADE DO RECURSO

Da r. decisão foi intimada a Defensoria Pública no dia 26 de novembro de 2.003, sendo, portanto, tempestivo, o presente recurso de Agravo de Instrumento, posto que a Defensoria Pública, nos termos do § 5º do art. 5º da Lei 1060/50 os prazos correm em dobro.

DA INJUSTIÇA DA DECISÃO RECORRIDA

Salvo melhor entendimento e não obstante o brilhantismo do Nobre Julgador, a decisão recorrida incorre em equívocos flagrantes como veremos a seguir.

Assim, a d. decisão afigura-se-nos extremamente injusta porque dá chancela judicial à conduta ilegítima da Ré, ora Agravada.

A Agravante tem o direito subjetivo de não sofrer interrupção no serviço contratado, serviço este essencial e básico do consumidor, baseado em cobranças abusivas.

Os fundamentos expostos pelo MM. Juízo para o indeferimento da concessão da tutela antecipatória, data venia, também não merecem acolhida, pois resta inequívoca a prova das alegações da agravante, a aparência do bom direito e o fundado receio de dano irreparável, por colocar em risco a própria vida da requerente.

DO PREQUESTIONAMENTO

Em não sendo acolhido o presente recurso e mantendo-se o indeferimento da tutela antecipadamente requerida, estará sendo negada a vigência do art. 273 do CPC, bem como o art. 39, ao caput do art. 42 e inciso IV do art. 51, todos do Código do Consumidor, o que ensejará Recurso Especial ao E. Superior Tribunal de Justiça, bem como, terá sido violado o direito fundamental de proteção ao direito do consumidor, previsto no art. 5°, inciso XXXII da Constituição Federal, desafiando-se Recurso Extraordinário.

DA CONCESSÃO DA LIMINAR

Por todos os argumentos acima expostos, indubitavelmente nos parece que os efeitos do recurso também merecem ser antecipados sopesando-se o maior risco sofrido pela Agravante, uma vez que a tutela antecipadamente requerida visa resguardar a seu direito básico e fundamental a saúde.

Finalmente esclarece não ser possível indicar o nome do advogado do agravado vez que ainda não houve citação da parte ré.

A agravante, ademais, requer seja deferido prazo de 24 hs para anexar as fotocópias das seguintes peças : decisão agravada (fls.39, 32 e,vº), intimação da Defensora Pública (fls.35,vº e39,vº), petição inicial (fls.02/15), declaração de hipossuficiência (fls.16), contrato (fls.20/24), petições da Defensora Pública (fls. 33/34 e 37/38) e comprovantes de pagamento (fls. 25/28).

Por todo o exposto, requer-se a reforma da r. decisão ora agravada, para deferir o requerimento da tutela antecipada, determinando-se seja aplicado ao contrato em debate o índice de reajuste previsto pela ANS, expedindo-se as guias de depósito dos meses questionados, sendo dessa forma, prestada a efetiva

Justiça!

Pede deferimento.

Rio de Janeiro, 6 de agosto de 2003.

Além disso, verifique

RECURSO DE AGRAVO DE INSTRUMENTO PARA DAR ANDAMENTO AO RECUR

RECURSO DE AGRAVO DE INSTRUMENTO PARA DAR ANDAMENTO AO RECURSO ORDINÁRIO RECURSO DE AGRAVO DE …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *