CONTESTAÇÃO CARGO EM COMISSÃO

CONTESTAÇÃO CARGO EM COMISSÃO

0 1.249 views

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE _____________ – UF

PROCESSO Nº __________

_____________________, entidade autárquica estadual, vinculada à _______________, pessoa jurídica de direito público interno, criada pela Lei Estadual n° ____, com sede na Rua ________, nº ___, bairro _______, nesta cidade, neste ato devidamente representada por seu Diretor Sr. __________, bem como pelo advogado ________________, ambos "in fine" assinados, vem nos autos da RECLAMAÇÃO TRABALHISTA acima numerada, proposta por _______________, perante Vossa Excelência apresentar a sua

CONTESTAÇÃO,

em vista das seguintes razões de fato e direito:

A reclamante propõe a presente, alegando ter sido admitida aos serviços do Reclamado em ___/___/___, na função de _____________, tendo sido dispensada em ___/___/__, por ocasião do fim do contrato de trabalho por prazo determinado.

A reclamante alega que, após esse decurso do prazo, originalmente estipulado, teria laborado até ___/___/___, sem ter sido registrada na CTPS e sem contrato de trabalho.

Em __/__/__, teria sido nomeada para exercer em comissão o cargo de __________, perdurando tal situação até __/__/__.

A reclamante pede a declaração de contrato uno no período de __/__/__ até __/__/__, retificação da CTPS, reconhecimento do vínculo empregatício celetista em todo o período.

Além disto pede também, férias proporcionais relativas a __, horas extras referentes ao trabalho aos sábados durante todo o período de __/__/__ até __/__/__, reflexos das horas extras sobre as demais verbas, FGTS não recolhido mais multa de 40%, 13º salário proporcional referente a __, verbas rescisórias, de aviso prévio e demais verbas já discriminadas, multa do art. 477 da CLT.

Esclarecidos os pedidos, passemos à impugnação dos mesmos.

DO CONTRATO DE TRABALHO

Pela simples análise da documentação juntada pela reclamante, denota-se que a mesma trabalhou para esta autarquia sob duas relações trabalhista não consecutivas e regidas por regimes jurídicos completamente diversos.

Não há portanto contrato uno.

A reclamante foi contratada, através de Contrato de Trabalho por Prazo Determinado, para exercer a função de _________ durante o período de __/__/__ até __/__/__.

Resolvendo-se o contrato a reclamante recebeu todas as verbas rescisórias (Termo de Rescisão em anexo).

E absolutamente inverídica a alegação que teria permanecido laborando até a data de __/__/__.

A resolução do seu contrato com esta autarquia se deu tanto de direito, como de fato, na data de __/__/__.

Também inverídica a alegação da reclamante que teria exercido cargos em comissão durante o período de __/__/__ até __/__/__.

A reclamante, somente a partir de __/__/__, passou a exercer função pública, através da ocupação de cargo provido em comissão, donde a natureza jurídica dessa relação de trabalho era eminentemente estatutária, inexistindo relação empregatícia trabalhista.

Naquele momento, a reclamante passou a integrar o quadro de funcionários regidos pelo Estatuto dos Funcionários Públicos do Estado do _____________, situação que perduraram até sua exoneração em __/__/__.

Todos os referidos atos se deram através de Resoluções do Sr. _______________ Secretário de Estado, a exceção da exoneração ocorrida em ___/__/__, que se deu por Decreto do Governador.

Deve-se reafirmar que não há contrato uno, posto que a relação eminentemente trabalhista se deu somente até a data de __/__/___, iniciando-se em __/__/___, uma nova relação de legislação estatutária.

PRELIMINARMENTE

Dos próprios termos da exordial é possível vislumbrar tratar-se a reclamante de funcionária pública estadual, que preenchia cargo público, relação esta regida, portanto, pelo Estatuto dos Funcionários Civis do Estado _____ -__.

Em assim sendo, a matéria deve ser apreciada pela Justiça Estadual comum, uma vez que não há contrato de trabalho e nem submissão à Consolidação das Leis do Trabalho – CLT.

Em decorrência, resta flagrante a incompetência da Justiça do Trabalho.
Cabe, portanto, a Justiça Especializada dirimir questão entre funcionário público e a administração pública.

Requer-se desde já a declaração de incompetência em razão da matéria.

NO MÉRITO

Quanto ao mérito, também nenhuma razão assiste à reclamante, aliás encontra-se atrelado à preliminar, restando prejudicado porque provado que o vínculo entre as partes era estatutário.

Como já exaustivamente exposto e demonstrado pela documentação contida nos presentes Autos, a reclamante laborou para o Reclamado, sob o regime trabalhista, tão somente no período de __/__/___ a __/__/__.

Após esse período, resolveu-se o contrato de trabalho, que era por prazo determinado.

E apenas em __/__/__ é que a Reclamada veio a ser nomeada para prover cargo público em comissão.

Portanto, não há continuidade, posto que houve o término de um contrato seguido de afastamento das funções, e o surgimento de nova relação completamente alienígena ao vínculo trabalhista.

Decorre, então, não haver contrato nem vínculo uno, já que houve solução de continuidade.

Em decorrência, totalmente improcedentes os pedidos de declaração de contrato uno, de reconhecimento do vínculo empregatício em todo o período, bem como, não tendo que se falar em retificação de anotação em CTPS.

Com base no exposto acima é totalmente descabida a pretensão de vinculação celetista.

O exercício de cargo público, provido em comissão, é relação completamente alienígena à CLT.

A reclamante pretende férias proporcionais relativa ao ano de ____.

A proporcionalidade pretendida sobre o ano de ___, considerando que à época, estava sob a égide de relação estatutária, temos que não existe previsão legal para o pleito.

Com efeito, a Lei nº ____ não faz previsão ao pagamento de férias proporcionais.

Logo, não é aplicável ao presente caso o regime trabalhista ficando demonstrado a falta de amparo legal.

A reclamante alega que trabalhou durante os sábados e requer as horas extras do período de __/__/__ até __/__/__.

Há que se ressaltar, de início, que tais alegações recaem sobre o período em que exercia, em comissão, o cargo de _______________.

Ademais, deixou de indicar específica e claramente a quantidade de horas laboradas acima do legalmente estipulado, o que, por si só, impede a apreciação do pedido.

Não há qualquer prova, de que a reclamante tenha trabalhado em horário superior ao legalmente estipulado.

Além do que, o período a que se referem às alegações de trabalho em horário superior ao legalmente estipulado, diz respeito à época em que a reclamante estava sob o regime estatutário, não havendo, então, previsão legal para percepção de horas extras.

Por fim em relação a este tópico, por força de argumentação, admitindo-se que seja aplicada a CLT ao presente caso, há que se evocar o art. 62, II da referida Consolidação.

A reclamante, no período em análise, ocupava o cargo de chefia. Estando excluída, então, da regra geral contida no Capítulo II da CLT.

Se não há que se falar em percepção de horas extras, com maior razão não há que se falar em seus reflexos sobre as demais verbas.

A reclamante somente fazia jus ao recolhimento de FGTS durante o período em que vigiu seu contrato de trabalho por prazo determinado.

Não há que se falar em recolhimento de FGTS durante seu exercício de função pública.

Reclama, também, 13º salário proporcional referente a __.

A proporcionalidade pretendida sobre o ano de ___, considerando que a reclamante, à época, estava sob a égide de relação estatutária, temos que não existe previsão legal para o pleito.

Pleiteou o pagamento de verbas rescisórias, consubstanciadas em indenização de aviso prévio e demais verbas já contestadas.

Todas as verbas rescisórias, relativas ao período do contrato de trabalho com prazo determinado, foram devidamente pagas, conforme consta do Termo de Rescisão.

Além do que, quanto a eventual pleito nesse sentido, em relação ao período em que exerceu função pública, temos que não há previsão legal para tais verbas, quando da exoneração do funcionário.

Portanto, as verbas rescisórias relativas ao período regido pela CLT, foram regularmente pagas. Já quanto ao período estatutário, são indevidas.

Como visto, e comprovado pelo Termo de Rescisão, as verbas rescisórias foram tempestivamente pagas, pelo que indevida a pleiteada multa.

A vista do exposto, pede e espera que a presente reclamatória seja julgada TOTALMENTE IMPROCEDENTE, devendo a reclamante ser condenada nos honorários de sucumbência.

Face ao exposto, protestando provar o alegado por todos os meios de prova em direito admitidos, juntada de novos documentos, depoimento pessoal do autor, sob pena de confissão.

Nestes termos,
pede deferimento.

__________, __ de ____ de 200_.

____________
OAB/UF

SIMILAR ARTICLES

0 1.434 views

0 1.155 views

NO COMMENTS

Leave a Reply

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.