INDENIZATORIA COBRANÇA INDEVIDA – GESUINA X BRADESCO

INDENIZATORIA COBRANÇA INDEVIDA – GESUINA X BRADESCO

1 12.111 views

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE ITAGUAÍ/RJ

, brasileira, casada, do lar, portadora da cédula de identidade nº IFP-RJ, inscrita no CPF sob o n.º, residente na Rua sn lote 07 quadra 105 – Engenho – Itaguaí – RJ – CEP, por seus procuradores infra assinado, com endereço profissional na rua Dr. n° – Centro – CEP, também nesta cidade, vem perante esse Juízo propor

AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL E MATERIAL

Em face de BANCO BRADESCO SA, situada na Av. Paulo de Frontin, 170, CEP: 23815-490, Itaguaí, Rio de Janeiro – RJ, pelos seguintes fatos, fundamentos e razões de direito:

PUBLICAÇÕES

Inicialmente requer que todas as publicações e notificações referente ao processo sejam realizadas em da Drª Lourdete Fernandes de Moura – OAB-RJ n° 120.306, na forma do art. 236, §1º do CPC, sob pena de nulidade.

I – DOS FATOS

A autora é correntista do banco réu, possuindo a conta corrente nº 0007299-0, agência 3431.

Em setembro de 2007, no afã de auferir lucro, a ré utilizou-se de um marketing agressivo além de prática abusiva prevista no art. 39, III do CDC, quando enviou a autora um cartão de crédito sem autorização ou solicitação da mesma.

Assim que a autora recebeu o cartão de crédito, quebrou e guardou-o juntamente com seus arquivos bancários imaginado que nada aconteceria, pois não iria utiliza-lo, além do mesmo estar bloqueado.

Ocorre que a ré começou a descontar a anuidade do cartão de crédito, diretamente na conta corrente da autora, no mês seguinte ao recebimento do mesmo, apesar de a autora não tê-lo solicitado, autorizado o desconto em sua conta corrente e pior, não ter ao menos realizado o desbloqueio.

A autora só descobriu que a ré estava descontando a anuidade do cartão de crédito em sua conta corrente quando a mesma recebeu um demonstrativo mensal de cartão de crédito, o qual estava cobrando a anuidade do cartão através de débito direto de sua conta corrente, conforme demonstrativos em anexo.

Após constatar o débito em sua conta corrente, entrou em contato com a ré para que fosse estornada a cobrança indevida, uma vez que:
não havia solicitado o cartão;
não desbloqueou-o
nunca utilizou-o
não autorizou o débito automático em sua conta corrente.

A ré sempre dizia que iria verificar o ocorrido, sendo que nunca retornava as ligações nem procedia o estorno das cobranças.

II – DA PRÁTICA ABUSIVA (art. 39, III do CDC)

É nítida a prática abusiva praticada pela ré, que na ganância de auferir lucro chega ao ponto de manipular, sem autorização, os dados da autora e ainda invadir seu patrimônio para cobrar a anuidade do cartão de crédito, mesmo sabendo que a autora não solicitou o cartão nem procedeu o desbloqueio.

O CDC veda expressamente a conduta que a ré esta utilizando, considerando tal prática como clausula abusiva, conforme dispõe o art. 39, III daquele diploma legal.

A jurisprudência é firme quando trata do assunto:

“Prática abusiva – Envio de 02 cartões de crédito não solicitados pelo autor, além das faturas referentes ao pagamento de anuidade dos mesmos – Inteligência do art.39, III CDC Desrespeito ao consumidor – Pratica de marketing invasiva da privacidade do autor – Autor que, ao efetuar a compra de um carro em agência de automóveis, parceira da ré, não é informado acerca da obtenção de um cartão de crédito administrado pela mesma Infringência ao princípio da transparência máxima norteador dos contratos de consumo – Art.4º caput CDC – Ilicitude da conduta do fornecedor do serviço independentemente da existência de dano – Conduta abusiva que não condiz com a fórmula protetiva em relação ao consumidor – Vulnerabilidade do consumidor Art. 4º, I CDC – Conduta do banco que impõe ao consumidor situação contra a qual não pode este se defender – Violação da privacidade e manipulação sem autorização de seus dados pessoais – Dano moral ocorrente in re ipsa pela manipulação não autorizada dos dados privados do consumidor – Viés preventivo-pedagógico do dano moral que tem por finalidade a proteção dos interesses coletivos transindividuais de todos os consumidores Sentença que condena a parte ré a pagar ao autor a título de danos morais a quantia de R$6.000,00, bem assim que a ré se abstenha de incluir o nome do autor em cadastros restritivos de crédito, que se confirma.” (Turma Recursal Civel RJ – 2003.700.026211-0 Juiz(a) CRISTINA TEREZA GAULIA)

“Responsabilidade civil de banco. Envio de plástico referente a cartão de crédito não solicitado, culminando com cobrança do valor da anuidade, mesmo não tendo havido o desbloqueio pelo recorrido. Informação prestada pelo banco de que o contrato só se perfectibilizaria com a volição do consumidor no desbloqueio. Prática abusiva desenhada no art. 39, III da Lei 8.078/90. Revelia corretamente decretada, já que não foi apresentada a carta de preposição do banco demandado, mas de outra pessoa jurídica distinta, sendo irrelevante o requerimento efetivado na sessão de conciliação de alteração do pólo passivo que não foi acatado expressamente pelo Juízo. Configuração da contumácia. Prevalência dos direitos fundamentais de proteção do consumidor previstos no art. 6º, IV, VI e VIII, do C.D.C.. Responsabilidade objetiva que prescinde da apuração de culpa. Dano imaterial identificado. Tribulação espiritual desbordante do mero aborrecimento ou dissabor na situação fática desenhada no instrumento da demanda, reverberando o episódio além da normalidade e viabilizando o reconhecimento do direito subjetivo de reparação do prejuízo extrapatrimonial sofrido, reduzindo-se o quantum indenizatório, contudo, em valor mais conducente ao escopo reparatório e em observância estrita ao princípio da razoabilidade. Provimento parcial do recurso. (Turma Recursal Civel RJ – 2004.700.031363-5 Juiz(a) ANDRE LUIZ CIDRA)

III – DA NÃO OCORRÊNCIA DA DECADÊNCIA

Como narrado anteriormente, a autora não solicitou o cartão de crédito que fora enviado para sua residência, não o desbloqueou, nunca o utilizou e nem autorizou o débito automático em sua conta corrente.

Verifica-se que há apenas um ato unilateral da ré quando envia para a autora um “pedaço de plástico” (amostra grátis – art. 39 P. Único), sendo certo que a autora não solicitou ou autorizou o envio do mesmo.

Neste sentido, o contrato apresentado pelo réu deve ser declarado inexistente por falta do elemento essencial, o consentimento.

Pelo fato do contrato ser inexistente, não há de se falar em decadência do direito de reclamar contida o art. 26 do CDC.

IV – DO PRINCÍPIO DA BOA-FÉ OBJETIVA

Ao enviar o cartão de crédito e cobrar pela disponibilidade e manutenção do serviço (anuidade) a ré feriu o princípio da boa-fé objetiva a que está obrigada como fornecedora (art. 4º, III, c.c art. 6º, IV, Lei 8078/90), e por conseqüência sua conduta revelou-se abusiva e arbitrária, contrária aos deveres anexos de lealdade, cooperação e zelo com as necessidades do cidadão-consumidor, devendo, portanto, responder pelos prejuízos causados ao mesmo (art. 14, caput, Lei 8078/90).

“A invasão à vida financeira do autor, que mantém conta-corrente junto ao banco-réu para receber seus parcos proventos, não é plausível sob qualquer argumento, vez que retira do cidadão a possibilidade de honrar com os compromissos primordiais e inadiáveis decorrentes da manutenção da sua sobrevivência e do sustento da sua família, e aceitar-se isso é o mesmo que andar na contra-mão das conquistas materializadas na moderna legislação em vigor que reconhece a função social dos contratos, como se vê no novo CC/02.” (Juíza da Turma Recursal CRISTINA TEREZA GAULIA, 2005.700.042367-4)

V – DOS DANOS MORAIS

É inegável o dano moral, pois teve seus dados pessoais manipulados sem autorização, além de ter sua conta corrente invadida para o desconto indevido da anuidade de um cartão de crédito que não solicitou e nunca utilizou.

A jurisprudência é firme neste entendimento

“Prática abusiva – Envio de 02 cartões de crédito não solicitados pelo autor, além das faturas referentes ao pagamento de anuidade dos mesmos – Inteligência do art.39, III CDC Desrespeito ao consumidor – Pratica de marketing invasiva da privacidade do autor – Autor que, ao efetuar a compra de um carro em agência de automóveis, parceira da ré, não é informado acerca da obtenção de um cartão de crédito administrado pela mesma Infringência ao princípio da transparência máxima norteador dos contratos de consumo – Art.4º caput CDC – Ilicitude da conduta do fornecedor do serviço independentemente da existência de dano – Conduta abusiva que não condiz com a fórmula protetiva em relação ao consumidor – Vulnerabilidade do consumidor Art. 4º, I CDC – Conduta do banco que impõe ao consumidor situação contra a qual não pode este se defender – Violação da privacidade e manipulação sem autorização de seus dados pessoais – Dano moral ocorrente in re ipsa pela manipulação não autorizada dos dados privados do consumidor – Viés preventivo-pedagógico do dano moral que tem por finalidade a proteção dos interesses coletivos transindividuais de todos os consumidores Sentença que condena a parte ré a pagar ao autor a título de danos morais a quantia de R$6.000,00, bem assim que a ré se abstenha de incluir o nome do autor em cadastros restritivos de crédito, que se confirma.” (Turma Recursal Civel RJ – 2003.700.026211-0 Juiz(a) CRISTINA TEREZA GAULIA)

VI – DO PEDIDO
Pelo exposto requer:

Concessão do benefício da gratuidade de justiça;
citação da empresa ré, para querendo, apresentar CONTESTAÇÃO sob pena de revelia e confissão;
inversão do ônus da prova;
que os pedidos sejam JULGADOS PROCEDENTES para condenar a ré a:
reconhecer a pratica abusiva da ré vedada pelo art. 39, III do CDC;
declarar inexistente o contrato de cartão de crédito apresentado pela ré, ante a ausência do elemento essencial à existência do contrato, o consentimento
a restituir o valor de R$ 78,00 (setenta e oito reais) na forma do art. 42 P. Único do CDC, o que redunda em R$ 156,00 (cento e cinqüenta e seis reais), os quais firam descontados indevidamente da conta corrente da autora, relativo ao pagamento da anuidade do cartão de crédito.( incluir os descontos vincendos até a data da AIJ)
multa pelos descontos futuros
pagamento de danos morais no valor de R$ 12.000,00 doze mil reais;

Protesta por todos os meios e provas admitidas em direito.

Dá-se a presente o valor de R$ 12.156,00 (doze mil, cento e cinqüenta e seis reais).

Termos em que,
P. Deferimento.

Itaguaí, 12 de Dezembro de 2007.

SIMILAR ARTICLES

0 4.250 views

0 153 views

0 97 views

1 COMMENT

  1. caro colega ;alem do desconto em conta corrente estão descontando um valor minimo de compras que eu nunca afetuie o que fazer?

Leave a Reply

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.